LUTERO E A REFORMA

REFLEXÕES SOBRE A CRÍTICA AO SISTEMA FINANCEIRO E ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA DAS IGREJAS LOCAIS

  • Pedro Jonatas Chaves Universidade Estadual do Ceará (UECE)
  • Emanuel Freitas da Silva Universidade Federal do Ceará

Resumo

As comemorações em torno dos 500 anos da Reforma devem proporcionar uma reflexão sobre o papel das instituições religiosas nos diversos contextos sociais, bem como ensaiar um balanço em torno dos principais legados dos textos reformadores e suas reminiscências, ou não, nas atuais estruturas eclesiais que representam-se como herdeiras da “Reforma”. Diante disso, o objetivo deste texto é apresentar a reflexão de Lutero acerca do modo como a Igreja local deve tratar as questões econômicas situando suas implicações para o enriquecimento da sua liderança. O texto foi elaborado numa pesquisa de caráter qualitativa, de natureza básica, adotando o procedimento de investigação bibliográfico. Os resultados apontam que o reformador vai evidenciar que a sociedade, baseada no novo sistema econômico que surgia, transforma um ato de ganância em prática de caridade. Mesmo assim, Lutero insistiu que as Igrejas locais não devem impor valores fixos para os fiéis, pois estes possuem a liberdade de doarem conforme suas possibilidades. As Igrejas devem preocupar-se com cumprir os mandamentos de Deus, as questões econômicas devem ser utilizadas para a manutenção da Igreja local e sustento dos necessitados, nunca enriquecimento dos líderes. Assim, Lutero solicita que as Igrejas cobrem apenas 4 ou 5% de dízimo dos fiéis, pois como representante de Cristo na terra, deveriam ser exemplo para todas as instituições seculares. Assim, mediante sua influência, é criado as caixas comunitárias, responsáveis pelo pagamento da manutenção do pastor até as necessidades dos miseráveis. Constatou-se que, por envolver interesses de gente poderosa, as propostas de Lutero sofreram grandes resistências, desde líderes religiosos, políticos e econômicos, embora seus ideais continuam vivos para todos que consideram-se herdeiros da Reforma Protestante alemã.

Biografia do Autor

Pedro Jonatas Chaves, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Especialista em nível de pós-graduação em Metodologia do Ensino Religioso pelo Centro Universitário Internacional (UNINTER) e Gestão Escolar e Coordenação Pedagógica pela Faculdade Kurios (FAK). Bacharel em Ciências Teológicas pela Faculdade Boas Novas (FBN) e licenciado em Pedagogia pela Faculdade Latino Americana de Educação (FLATED). Atualmente é licenciando em Pedagogia na Universidade Estadual do Ceará (UECE) e Sociologia pela Universidade Paulista (UNIP). Professor efetivo do Ensino Fundamental II (anos finais do Ensino Fundamental) na Prefeitura Municipal de Itapipoca (PMI) e Prefeitura Municipal de Uruburetama (PMU). Também exerce a função de professor colaborador dos cursos de formação de professores em nível de graduação e pós-graduação lato sensu do Instituto de Estudos e Pesquisas do Vale do Acaraú (IVA). E-mail: pedrojonatas_sc@hotmail.com.

Emanuel Freitas da Silva, Universidade Federal do Ceará

Doutorando em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Professor Assistente de Teoria Política da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Coordenador do Grupo de Estudos em Religião e Sociedade (GERS). E-mail: emanuel.freitas@uece.br.

Publicado
2018-06-12