O PAPEL DA HERMENÊUTICA NO PENSAMENTO FILOSÓFICO CONTEMPORÂNEO

  • Igor de Benedetto e Silva FAE – Curitiba/PR
  • Joel Cezar Bonin UNIARP – Caçador/SC

Resumo

A hermenêutica não é apenas um exercício analítico-gramatical que tenta “reconstruir” o que foi dito, mas antes de tudo, implica em uma forma de entendimento de “atualização do que foi dito”. Nesse sentido, o objetivo da presente reflexão é compreender quais são as grandes contribuições que a hermenêutica traz para o pensamento filosófico contemporâneo, dentro de uma perspectiva histórica. A ideia da interpretação não é nova, aliás, ela remonta toda a história do pensamento humano, antes mesmo dos gregos. Contudo, na atualidade, ela tem retomado grande valor e importância, haja vista o seu papel dentro do universo jurídico hodierno. Sendo assim, faz-se nesse texto uma revisão sobre os principais pensadores da hermenêutica da contemporaneidade, tais como Schleiermacher, Gadamer, Ricouer, Dilthey, dentre outros. A análise não visa dar uma resposta final ou cabal acerca do tema, mas tão somente ilustrar o papel fundamental desses pensadores e de como a ciência não foi capaz de dar conta do problema de conhecimento e reconhecimento do mundo. Assim, a hermenêutica confirma o papel sobremaneira subjetivo e intersubjetivo (a inclusão do outro) do exercício de entendimento do mundo (Weltanschauung) e do próprio ser humano.

Biografia do Autor

Igor de Benedetto e Silva, FAE – Curitiba/PR

Engenheiro eletricista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie-SP. Graduado em Filosofia pela FAE – Curitiba-PR.

Joel Cezar Bonin, UNIARP – Caçador/SC

Professor de Filosofia e Sociologia UNIARP – Caçador-SC. Doutorando pelo PPGF/ PUC-PR. Bolsista UNIEDU-SC.

Publicado
2017-05-10